Desde os anos 70 até meados dos anos 2000, Atlantic City era a meca do jogo nos Estados Unidos. Cassinos de renome como o Caesars Palace, o Borgata, e o Trump Taj Mahal atraíam milhões de turistas todos os anos, gerando bilhões de dólares em receitas.

Mas a partir dos anos 2000, a cidade começou a perder sua posição de destaque para outros destinos de jogo emergentes, especialmente em estados vizinhos como Pensilvânia e Delaware. A concorrência aumentou e os cassinos de Atlantic City lutaram para manter seus lucros, levando ao fechamento de vários estabelecimentos e grandes perdas de empregos.

Além disso, a cidade também foi afetada por mudanças demográficas e problemas econômicos mais amplos, como a recessão de 2008. A população envelheceu e muitos dos mais jovens tendiam a procurar outras formas de entretenimento.

Apesar desses desafios, os cassinos sobreviventes em Atlantic City continuam sendo uma importante fonte de receita para a cidade e o estado de Nova Jersey. Eles enfrentam uma nova ameaça em forma de apostas esportivas online, que estão se tornando cada vez mais populares em todo o país.

Com isso em mente, a cidade está tentando atrair novos tipos de turistas, investindo em marketing e outras iniciativas para restaurar sua reputação como destino turístico. Alguns cassinos estão considerando outras formas de entretenimento, além do jogo, como shows e eventos esportivos, para atrair novos públicos.

Embora o futuro de Atlantic City como destino de jogos permaneça incerto, a cidade continua a oferecer uma variedade de atrações para os visitantes, incluindo belas praias, restaurantes e outras atividades de lazer. Seus cassinos icônicos servem como uma lembrança do passado e da influência que a cidade já teve sobre a indústria do jogo nos Estados Unidos.